José Mindlin

 “O vírus do amor ao livro é incurável, e eu procuro inocular esse vírus no maior número possível de pessoas.”

Desde os 13 anos de idade, José Mindlin sofre de uma ‘doença incurável’ que, ao contrário de outras, o faz sentir-se bem e lhe traz muitas alegrias: paixão por livros. É essa experiência que ele relata em Uma vida entre livros – Reencontros com o tempo, com o intuito de transmitir uma idéia do prazer que o livro pode proporcionar e, assim, inocular o vírus. “Pela correspondência que recebi e pelos comentários ouvidos, parece que valeu a pena”, constata, explicando que o subtítulo Reencontros com o tempo foi sua homenagem a Proust e não tem a conotação de uma autobiografia formal.

Conhecido como um dos maiores bibliófilos do Brasil, José Mindlin dedicou-se durante anos a atividades diversas, como advogado, empresário fundador da Metal Leve e Secretário da Cultura, Ciência e Tecnologia do Estado, entre outras, além de participar até hoje de Conselhos culturais e empresariais, científicos e tecnológicos. Mas sempre preservou tempo para a leitura, a família e a formação da biblioteca. Em suas inúmeras estantes, que abrigam hoje mais de 20 mil volumes, encontram-se raridades, exemplares únicos ou quase únicos (vários autografados), obras de excepcional qualidade e beleza gráfica. “Quando, depois de anos e anos de procura, encontra-se um livro raro, o coração bate mais forte…”, diz, tentando exprimir o quanto tem se deliciado nessas décadas de garimpagem.

O valor da literatura, a seu ver, é imensurável: “Através da literatura, se enriquece o espírito, se adquire conhecimento do mundo (ser humano, sociedade etc.) e se tem o prazer de dar largas à imaginação, sentindo emoções que, sem ela, possivelmente não existiriam. A literatura sempre foi parte da minha vida. A leitura me distraiu, me encantou, ampliou meus horizontes, a ponto de não poder imaginar o que seria minha vida sem os livros – certamente um vazio assustador.”